mercoledì 26 maggio 2010

UMA ANALISE CORPORAL DAS ENTREVISTAS DA DILMA ROUSSEFF

O corpo fala sempre mesmo quando somos em silencio e às vezes conta toda outra historia do que as palavras. Agora, si parece um pouco superada a rígida teoria do Cesare Lombroso, cientista italiano considerado pai da fisionômica, segundo a qual na forma mesma do corpo, principalmente do rosto, é contido tudo nosso destino, hoje são os gestos e os micro-gestos, movimentos quase imperceptíveis, que revelam verdades profundas.
“Quoi de mieux” para “ler” esta campanha presidencial?

VIDEO DO PT
O documento vídeo mas fraco da comunicação visual da Dilma



Pontos fracos:
1)Legendas. Por quê? Os eleitores não conseguem entender direito o que os políticos falam? Legendas criam separação. O problema da separação com o eleitorado é um problema sobre o qual voltaremos.
2)A presença do Lula acaba para ser um auto-gol. Na frase “Porque eu admiro tanto a Dilma? As pessoas certamente pensavam que eu ia dizer que era porque a Dilma me ajudou muito no governo”. Neste ultimo trecho o Lula fecha os olhos dizendo isso. E’ um micro-movimento, um movimento rápido, mas ele fecha. Fechar os olhos é um gesto de blocking que acontece quando o assunto incomoda. Mensagem que passa: eu admiro a Dilma porque a Dilma me ajudou no governo. Ou seja, exatamente o oposto.
Num outro trecho crucial Lula fecha os olhos. Quando ele diz “a prova definitiva da competência da Dilma”.
3) de mau gosto a comparação com o FHC e Serra, mesma técnica de comunicação da publicidade para os detergentes para limpeza,
4) péssimos os trechos onde é a Dilma mesma que faz entrevista com seus potenciais eleitores. E’ demagógico. E o auto-gol é a resposta final da Leda Maria Rocha da Assentamento, em Pastorinha no Minas Gerais. A Dilma diz: “Agora eu quero garantir pra senhora que vai continuar mudando pra melhor”. Leda responde “Se Deus quiser”, remite todo à Deus, a linguagem fica descontrolada, a mensagem perde de valor.
Ainda pior a entrevista com João Jair Pinto, em Santo Antonio da Patrulha, Rio Grande do Sul. Esta vez a Dilma é em pé, mas a postura corporal está errada. As mãos e os braços são atrás do dorso. A Dilma daí a sensação de ficar estranha ao lugar, não mostra os braços e as mãos (as mãos são normalmente um dos lugares onde as pessoas expressam a verdade, como na Antiga Roma quando se mostravam os palmos para dizer que não tinham armas)
5) quando Dilma fala, num dos momentos cruciais da sua mensagem eleitoral “Eu tive que aprender e aprendi a encarar as dificuldades” e quando está para acabar esta frase ela faz um micro-gesto com a boca, quase imperceptível. Este aqui é um “rumor” na mensagem como si ela não seja verdadeiramente convencida


VIDEO PAINEL RBS
http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=114557&channel=95

Pontos de força
1)Esta situação, ao invés da precedente, è muito confortável para Dilma, além de ela ser com muitos jornalistas prontos para “tirar” nela. Dilma é bem sentada, sabe onde olhar (o Serra no mesmo programa, sobretudo ao começo fez um erro depois de outro, não sabia onde olhar e nunca olhava para a câmera, ou seja, os eleitores em casa.).
2)Dilma tem um ampla gesticulação, consegue bem enfatizar os pensamentos, elenca muito com os dedos os conceptos o que significa muita clareza de comunicação mas não tem que exagerar porque senão significa falta de visão total (Serra ao contrario neste programa mostra o tempo todos os palmos mas neste caso é exatamente o contrario do que falei antes. Mostrar continuamente os palmos denota um medo escondido que a audiência possa descobrira que ele não diz a verdade. E’ um mostrar-se sincero demais!)
3) Falando sobre a sua resistência à ditadura ela tem uma postura reta, firme, ela é muito sincera e honesta.


Pontos fracos
1)Dilma tem sobrancelhas interessantes, anguladas, quase triangulares. Mas ela tem que prestar muita atenção a não levantar a sobrancelha (ela levantou durante o programa a sobrancelha esquerda). Levantar a sobrancelha pode denotar duvida, rejeição e pode atrapalhar a fluidez da mensagem.
2)Outro problema da Dilma é que quase sempre durante da entrevista ela se toca a perna, as vezes colocando sua mao abaixo da coxa. Não!! E’ um dos erros mais relevantes de comunicação corporal. Denota insegurança e defesa. Até pode inspirar a idéia do medo
3) O debate começa com o assunto da “Política para educação”. A posição da Dilma è fechada, as pernas são fechadas e o busto e para frente. Sua postura é instável. Seu corpo está dizendo que este assunto de uma forma ou de outra incomoda a candidata
além de ela dizer “eu acredito que esta seja uma da s questões mais importantes”.
4) André Machado pergunta sobre a comparação com o Lula. “Lula presidente popular, Dilma a executiva do governo”. Reação da Dilma ela incha a nariz. E’ um assunto que provoca raiva que ela reprime. Tem que trabalhar sobre isto. A candidata não pode mostrar nem sequer fragmentos de sentimentos negativos.
5)-Durante o programa ela quase nunca coloca a mão no rosto (gesto que é sinônimo normalmente de mentira ou de tensão). Mas ela faz este gesto quando fala do Lula. Isto acontece duas vezes (toca a nariz e o queixo). Tem a mao no queixo e diz “eu aprendi muito com o presidente”.
Então o problema é o seguinte: a Dilma na expressão não verbal tem um conflito com o Lula não resolvido, até à um nível subconsciente. Tem que pensar nisso. Pode ser uma dificuldade a expressar uma autonomia de identidade, à se destacar do mestre.
6) quando o Lasier Martins faz pergunta sobre o Venezuela, o que acha das relações do Brasil com o Venezuela, ela toca à sua nariz, fica rígida no corpo mas o que mas chama atenção é que ela cobre com uma mao o palmo da outra, ou seja ela se fecha, o que é péssimo porque ao mesmo tempo ela diz “ “qualquer governo brasileiro pode interferir nas questões internas dum pais”. E quando o Lasier fala que sua resposta é retórica Dilma faz um outro erro de comunicação, toca o braço dele e depois se toca a nariz (falando sobre a Bolívia e a Petrobrás). Nunca se sai dum território (neste caso o território da entrevista). E’ fraqueza, desejo de apoio (E’ o grande problema do Serra que no mesmo programa tenta muitas vezes de ter o apoio do jornalista principal)
Na verdade o eleitor entende que o assunto Chávez é um assunto critico para a Dilma porque é a situação onde a Dilma toca em absoluto mais vezes o rosto.
7)Outro assunto critico é quando ela cita os jornais internacionais que apreciam o Lula. Dilma coloca sua mao direita abaixo da coxa esquerda. O palmo é escondido.
E’ um gesto que repete quando explica como o Brasil é visto no exterior. Seria um assunto que verbalmente é positivo mas na verdade se percebe um grande medo dela. O fato de como o Brasil é visto e criticado no exterior é para ela uma angustia, um problema. O olhar estrangeiro provoca medo nela
8) Outro assunto critico é o assunto Iran. Esta vez ela não mexe as mãos, ao contrario fica completamente imóvel. E’ a ântica posição pré-histórica do freezing ( frente ao perigo tem 3 atitudes, freezing, flying ou seja escapar ou fighting ou seja lutar). Dilma escolhe de ficar imobilizada. Fecha sua resposta com “eu acho que o Presidente está fazendo uma missão humanitária” o que no dia 13 de maio ainda era prematura para audiência entender (o acordo com Ahmadinejad e Erdogan so seria assinato no dia 17)
9)O assunto do aborto pode ser um boomerang para ela. Uma mulher como a Dilma com uma historia de consciência política e social tão forte não pode repetir que “não é o estado que tem que dizer se é contrario ou não à aborto, è uma questão de saúde publica”. O slogan está errado. O aborto é considerado no mondo todo um direito das mulheres. O que mas chama atenção é que na entrevista feita para Istoé ela repete exatamente as mesmas palavras o que daí a idéia de uma coisa aprendida de cor.
10)As vezes Dilma não consegue disfarçar a sua contrariedade face a perguntas nas quais evidentemente seu subconsciente vê hostilidade.Por exemplo Caroline Bahia a propôs do profissionalismo no estado menciona que tem um calculo de 20 mil servidores ocupando cargos de confiança, muitos deles filiados à partidos políticos. Segundo os especialistas isso afeita a eficiência do Estado, inclusive alimenta a corrupção. A Dilma é tensa, os lábios são bem fechados, as extremidades dos lábios
desenham um sorriso falso. E’ tudo menos que um sorriso.
Sua resposta é um pouco banal: na Inglaterra, na França, nos Estados Unidos se faz a mesma coisa. Mas não é assim porque não só todos os servidores são uma parte do staff. A sensação é que a Dilma não consegue enfrentar e gerenciar este assunto Pela primeira vez nesta entrevista falando sobre este assunto ela coloca a mao no peito e no pescoço o que são considerados gestos pacificadores, para bloquear uma tensão interior.
11) Sobre o assunto Battisti volta o problema do freezing. E’ o assunto que cria medo nela? Sua resposta, falando com a jornalista, é um auto-gol "não tenho uma informação boa para te dar”. Este é o tipo de resposta que uma candidata nunca tem que dizer. Significa admitir falta de conhecimento. O candidato sempre tem que tranqüilizar.
12) Quando Lasier Martins menciona pela primeira vez o Serra a propósito das infrastruturas do Estado do Rio Grande do Sul ela toca no pescoço. Mais uma vez um gesto pacificador para resolver uma tensão interior.
13)Sobre a demagogia: “nos não tomaremos nenhuma medida demagógica“ mas ela toca na camiseta.O que significa que está se preparando à uma agressão, tem raiva dentro.


PROGRAMA DO RATINHO SBT


Dilma está a vontade, fala simples, não tem medo. A Dilma nesta situação consegue falar com o povo.

1 commento:

  1. Questo commento è stato eliminato da un amministratore del blog.

    RispondiElimina